Pronomes Relativos

Cultura & Cotidiano por Juliana Marcondes

  • Contato
  • Com 29

    Por Juliana Marcondes

    Sonhando,

    acordei

    mais cedo,

    mais velha,

    mais forte.

    Acordada,

    caminhei

    com medo,

    com calma.

    E no caminho

    sigo.

    Só,

    conseguindo.

    20140420-205056.jpg
    lisboa, 19.04.14.

    Share on Tumblr

    Nebraska

    Por Juliana Marcondes

    Ainda não vi Nebraska.

    Ouvi excelentes comentários e essa rápida critica chamou minha atenção, especialmente por destacar que é a “dimensão humana das histórias” que nos liga a determinados filmes.

    Compartilho:

    20140408-092158.jpg

    20140408-092229.jpg

    Nebraska
    Alexander Payne, 2013
    Trailer

    Share on Tumblr

    Au Revoir

    Por Juliana Marcondes

    Eu sempre quis aprender francês. Um daqueles desejos que a gente vai adiando. Primeiro tinha que ser o inglês, depois achei que era imprescindível o espanhol, daí o tempo foi ficando curto, a vida com outras prioridades. Mas o francês, sempre estava lá, na lista das coisas que queria um dia aprender.

    Assim que cheguei em Lisboa, falei: é agora!

    Fui até a Aliança Francesa, adorei a biblioteca, a livraria, as exposições de arte e, principalmente, a cantina com tarte tatin e pain au chocolat… ai ai.

    Lá fui eu para a primeira aula, me sentindo quase uma Amelie Poulin deslocada de Paris. Fazia as primeiras lições ouvindo a Carla Bruni e a Madeleine Peyroux, numa inocência só.

    Mas daí… mestrado e trabalho começaram a apertar e tive que começar a estudar no intervalo do almoço ou antes de dormir, exausta! Mudei as aulas de duas vezes na semana para o sábado de manhã. Minha fonética, comparada a dos alunos portugueses, era menos francesa e mais brasileira… tristeza! A gramática começou a ficar difícil e eu, sem energia. Quem inventou o passé composé?

    E sei que, o francês dos meus sonhos, que achei que seria tão lindo e tão leve, foi um belo de um banho de água fria.

    Moral da história: não dá pra idealizar, romatizar o que a gente ainda não viveu, o que a gente não conhece. Algumas coisas, só descobrimos depois que encaramos, sentimos.

    Se era melhor ter ficado no sonho? Acho que não. Antes a certeza de ter tentado, a percepção de que não será fácil, o convencimento de que, enfim, nem tudo é tão doce como parece ou deveria ser.

    Merci, français!

    20140405-132913.jpg
    livros me esperando na sala de casa. lisboa, abril 2014.

    Share on Tumblr

    Entrega

    Por Juliana Marcondes

    Dois filmes para a lista:

    Dallas Buyers Club (Clube de Compras Dallas, no Brasil e O Clube de Dallas , em Portugal) é um filme inspirado em uma história real.

    Ron Woodroof, eletricista de Dallas, foi diagnosticado com AIDS em 1985, época em que a doença ainda era cercada de mitos. Os médicos lhe deram 30 dias de vida. Woodroof se recusou a aceitar o prognóstico e criou uma operação para trazer remédios alternativos de outros países. Outras pessoas se juntaram a ele e estava criado o Clube de Dallas. Foram mais sete anos de vida e luta contra a doença e a indústria farmacêutica.

    August: Osage County (Álbum de Família, no Brasil e Um Quente Agosto, em Portugal) é um filme baseado na peça de teatro homónima de Tracy Letts, vencedora de um Prêmio Pulitzer. O enredo conta a história dos Weston, uma família disfuncional que se reúne devido ao falecimento do patriarca e, com isso, é forçada a uma convivência imposta pelas circunstâncias, onde mágoas e ressentimentos vem à tona.

    O que os dois filmes tem em comum? Atuações incríveis.

    Matthew McConaughey e Jared Leto de Dallas Buyers Club foram premiados com o Oscar e Globo de Ouro de melhor ator e melhor ator coadjuvante. Meryl Streep e Julia Roberts de August: Osage County, também foram indicadas para os prêmios.

    Apesar de toda a força dos dois enredos, o que impressiona nos filmes é transformação, física e de alma, para cada personagem. Atores que emagrecem, cortam o cabelo, mudam o olhar, vivem a vida alheia.

    Filmes que valem para observar a entrega.

    20140330-221701.jpg

    20140330-222715.jpg

    Dallas Buyers Club
    Jean Marc Valleé, 2013
    Trailer

    August: Osage County
    John Wells, 2013
    Trailer

    O Pão Nosso

    Por Juliana Marcondes

    Perto da Gulbenkian tem uma padaria que é uma delicia. Pães, tortas, biscoitos e brunch aos finais de semana.

    Acho que as fotos rápidas que fiz com o celular conseguem, timidamente, transmitir a atmosfera leve do lugar:

    20140317-233538.jpg

    20140317-233657.jpg

    20140317-233945.jpg

    O Pão Nosso
    Rua Marquês Sá da Bandeira, 46
    +351 21 010 7222
    Lisboa, Portugal

    Share on Tumblr

    Vai

    Por Juliana Marcondes

    segunda

    é primeira.

    tristeza

    que passa,

    fica.

    sol que chama,

    convida.

    levanta,

    aguenta,

    respira.

    vai.

    20140310-152850.jpg
    março em lisboa.

    Share on Tumblr